Para os cinéfilos de plantão

Cartaz da 34ª Mostra Internacional de Cinema - Ilustração de Akira Kurosawa - Foto: Divulgação

Começa amanhã (22) a 34ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Nessa edição serão exibidos mais de 450 títulos divididos entre as seções: Perspectiva Internacional, Competição Novos Diretores e Mostra Brasil. O Festival da Juventude, em sua 11ª edição, traz sessões gratuitas, em três salas: Cine Livraria Cultura, Cine Sabesp e Museu da Imagem e do Som (MIS).

Além das exibições, os visitantes irão conferir exposições em homenagem ao centenário do diretor japonês Akira Kurosawa e do cineasta alemão Wim Wenders, elaboradas em parceria com o Instituto Tomie Ohtake e o Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Para os que não puderem presenciar, o Evento mantém sua iniciativa pioneira de exibição online, como opção de programação aberta a todo o território nacional. O streaming é gratuito e estará disponível para os 500 primeiros acessos.

A Mostra vai até o dia 4 de novembro. Para a programação completa e mais informações sobre o festival online acesse o site oficial: http://www.mostra.org

Anúncios

29º Bienal de São Paulo: a relação intrínseca entre arte e política

A 29º Bienal de São Paulo foi aberta ao público no dia 25 de setembro e vai até 12 de dezembro. O verso do poeta Jorge Amado dá o tema à exposição “Há Sempre Um Copo de Mar Para Um Homem Navegar”, a proposta é colocar o visitante para refletir sobre o mundo em que vive a partir do experimento sensível provocado pelas obras expostas.

Esta edição recebeu 850 obras de 159 artistas que oferecem exemplos de como a arte pode, por seus próprios meios e propostas, se relacionar com a política. Ou, nas palavras da própria Bienal, “Entre um copo de mar e um pedaço de chão, a criação artística se torna política”.

A exposição acontece:

2ª a 4ª feira: das 9 às 19h.
5ª e 6ª feira: das 9 às 22h.
Sábado e domingo: das 9 às 19h.
A entrada é gratuita!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Glamour, beleza e originalidade por Stephen Jones

Conhecido como o Chapeleiro da Rainha, Stephen Jones é, há algum tempo, o designer de chapéu mais disputado pelo mundo das grifes e personalidades pop. Entre seus fiéis adoradores estão Jean Paul Gaultier, Thierry Mugler, Comme des Garçons, Claude Montana, John Galliano, Christian Dior, Azzedine Alaïa, Walter Van Beirendonck, Madonna, Beyoncé Knowles e Marc Jacobs. Até a musa brasileira Ivete Sangalo usufruiu da criatividade do artista par o seu show no Madison Square Garden em NY.

Para cultuar todo esse talento, o Museu da Moda na Bélgica – Momu Fashion Museum recebeu de um colecionador particular mais de 120 peças do designer e está realizando a mostra “Stephen Jones & The Accent of Fashion” que vai até fevereiro de 2011.

Totalmente convencido de sua habilidade na arte, ele afirma sem pestanejar que o seu trabalho “é como a acentuação na escrita, dá ritmo e indica a direção correta da leitura, assim como chapéus adicionam a perfeita pontuação à coleção de um estilista”.

A nós, reles mortais, é permitido dispensar uns minutinhos para cultuar a beleza e a originalidade das criações de Stephen.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Reprodução

Exposição Ernesto Neto – MAM

Meninas … visitei essa exposição no sábado passado e ela vai estar no MAM até o dia 19 de dezembro, na marquise do parque do Ibirapuera.

A exposição se chama “Dengo”, que também é o nome de uma das obras do artista. O Ernesto Neto é um artista plástico carioca conhecido por suas grandes instalações que interagem com os visitantes da exposição, além de se interarem entre si.

O “dengo” vem justamente dessa ideia de trazer o público para uma relação mais próxima com a obra, promovendo contato direto com as superfícies, e mexendo com todos os sentidos do ser humano, e não só com a visão.

Na mostra do museu, é possível testar o tato na imensa instalação em crochê colorido, o olfato em pacotinhos de temperos pendurados pela exposição e até o paladar quando, ao final, os visitantes podem tomar água de coco direto do “coco aberto com machadinha”, num claro protesto do artista contra a industrialização não só da água de coco, como de produtos fruto da sociedade de consumo em geral.

A exposição é muito original e com certeza vale a pena como experiência. Tem até uma piscina de bolinhas (sem contar que o ingresso é baratíssimo!).

Separei algumas fotos que a gente mesmo fez durante a visita. Só como aperitivo!

Este slideshow necessita de JavaScript.